quarta-feira, maio 24, 2006

71 - PECISCAS




















Da minha colecção particular aqui está, não uma porta, mas um portão, que também tem história.
E está bem tratado, ao contrário de muitos outros exemplares, que aqui tenho mostrado, e que se encontram, lamentavelmente, ao abandono.
Este até está datado. Com um "rótulo" que informa tratar-se de uma construção com mais de 200 anos.
A menção, gravada em granito e avivada a tinta preta, é deliciosa. Pela ingenuidade e ancestralidade da traça dos algarismos.

2 comentários:

Nado-vivo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Nado-vivo disse...

E a vetustez, disfarçada em retintas triviais, não afasta o tempo, que afirma - imponente - uma existência que anuncia uma morte certa.
Portão - uma porta grande? Um local de acesso virado para o exterior. Mas há as portas interiores, labirínticas, por onde se entra e se sai como cirandando dentro de um nicho: ora prisão, ora aconchego.
Mas de que servem portas fechadas, que não se abrem? E, ademais, barradas de ferro, agrilhoadas, e que aprisionam e escondem?
Sónia, será que passaste a portada? É que não encontrei vestígios teus...!